Desabafo de uma mãe - cap VIII


Click to Download this video!


O que vou narrar agora é o capítulo mais louco e decisivo desta saga. A noite em que tudo mudou entre nós.

Depois do sexo oral ter sido "liberado" entre nós, passamos a viver uma vida de verdadeiro casal. Íamos juntos ao supermercado, saíamos para jantar - claro, sem nunca trocar carinhos em público - e dentro de casa não nos desgrudávamos. Quando ele ia pra faculdade e eu ficava sozinha, por vezes sentia as crises de remorso por estar vivendo uma relação incestuosa. Mas meu filho André fazia de tudo para que eu me sentisse amada, desejada, feliz. Na sua presença eu me sentia completa. Já estávamos a dois meses tendo relações orais quando aconteceu a grande virada.

Era um sábado à tarde quando percebi meu filho no telefone com os amigos. Não dei bola, até que ele me disse:

- Mãe, hoje vai ter uma festa na faculdade, tudo bem?

Ao ouvir isso senti uma espécie de soco no estômago, mas me contive.

- Claro filho... pode ir, não tem problema algum.

Depois disso me senti desconfortável. Jantamos normalmente e depois ele foi se arrumar para sair. Quando era por volta de 9 da noite ele se despediu:

- Tô indo, mãe. Fica tranquila que eu me cuido direitinho.

Forcei um sorriso amarelo. Ele foi.

Assim que ele saiu eu me atirei no sofá, perdida em pensamentos. Foi como se eu ouvisse uma voz dizendo: "Cai na real, Sônia!". Afinal, ele era jovem, tinha mesmo que se divertir. E provavelmente nessa festa e faculdade haveria dezenas de meninas da idade dele. Tentei racionalizar. Tentei me conformar de que eu não poderia ser egoísta e querer meu filho só para mim. Eu era velha demais para ele, e acima de tudo, era sua mãe. Aquilo que vivíamos só podia ser uma fase, e mais ou mais tarde ele teria que namorar, constituir família, ter filhos, etc.

Mas doía imaginá-lo com outra. Resolvi tomar uma bebida.

Uma vodka, depois outra. Fui tomar um banho para me acalmar. Vesti uma camisola e voltei a beber. Não demorou para que eu ficasse completamente bêbada, e daí para primeira crise de choro foi um passo.

Eu só conseguia imaginar aquela boca beijando outra menina. Senti raiva, ódio mesmo. Era terrível, mas era verdade: eu estava com ciúmes do meu filho.

Quando deu 2 horas da manhã eu já tinha bebido quase uma garrafa inteira. O álcool não é bom conselheiro e nessa hora eu perdi a calma e telefonei para ele. Quando atendeu, dava pra ouvir que ele estava num lugar com música alto.

- André, onde é que você está? - perguntei.

- Na festa, mãe...

- Você tá fazendo o que?

- Nada... só estou me divertindo com meus amigos da sala.

- Presta atenção: você tem 40 minutos para voltar pra casa! - disse eu, furiosa, sem me preocupar em disfarçar minha raiva.

- Mãe?! Aconteceu alguma coisa?

- Se você não chegar em casa em 40 minutos, pode pegar suas coisas e sumir de casa. Vai morar com o veado do seu pai!

Bati o telefone. Foram exatos 34 minutos, contados no relógio para que ele chegasse em casa. Entrou com uma cara de apavorado.

- Mãe! Que foi que aconteceu?

Eu fiquei de pé, com dificuldade, pois estava bêbada.

- Você não tem vergonha na cara, seu moleque?

- Que foi que eu fiz? - perguntou ele com uma expressão aterrorizada.

- Você pensa que eu não sei que você tava se esfregando com aquelas vagabundinhas da faculdade?

Ele fez uma cara de quem não acreditava no que ouvia.

- Mãe... eu juro que não! Palavra de honra!

- Eu não sirvo mais pra você, seu pirralho?

- Não fala isso, mãe! Eu te amo! Você é a mulher que eu amo!

- Cala a boca, infeliz!! - eu berrei - Você deve ser outro puto igual seu pai!

- Não fala isso, mãe! - disse ele, já chorando.

De tão louca que eu estava tomei uma atitude. Tirei minha camisola e fiquei completamente nua na frente dele.

- Meu corpo não te satisfaz mais? Você precisa de carne nova?

- Mãe! Eu juro que não fiz nada!

-Então você vai ter que me provar!

Eu disse isso e o peguei pelo colarinho. O puxei, melhor dizendo, o arrastei até meu quarto, que na verdade já era "nosso quarto".

- Tira a roupa! - eu ordenei, e nem esperei que ele cumprisse a ordem, já fui eu mesma tirando sua roupa. Quando ele estava nu, me atirei na cama, de pernas abertas e mandei:

- Chupa... chupa tua mãe! Se você me ama, me faz gozar!

Ele estava atônito, apavorado, pois nunca tinha me visto assim. Mas obedeceu. Começou a beijar minhas pernas e foi subindo. Aquela era a primeira vez em que ele me via tomando a iniciativa, sem nenhum freio, nenhum pudor.

- Capricha, moleque...

Ele foi subindo. Sua língua me contato com a minha pele me fazia vibrar. Quando ele finalmente alcançou meu clitóris eu gemi de prazer.

- Vai... chupa gostoso essa buceta, vai... chupa, seu puto!

Sempre fui uma mulher tímida e travada para o sexo. Nunca dissera qualquer tipo de sacanagem do tipo. Até falar a palavra "buceta" era difícil pra mim. Mas naquela noite eu tinha perdido completamente as estribeiras.

- Issooooo! Ahhhhhhhhhh delícia! Chupa essa bucetinha... chupa a buceta da mamãe, vai... deixa ela molhadinha! AHHHHHHH!

Ele podia estar assustado, mas não tinha esquecido como me dar prazer. Sugava meu clitóris, que estava durinho e inchado. Enfiava os dedos na minha vagina que devia estar febril de tanto tesão. Eu me contorcia. Senti que ia gozar.

- Vai... não pára... isso! Me chupa gostoso! Vemmmmm... ahhhhhhh...

Gozei maravilhosamente. Foi tão forte que apertei a cabeça de meu filho com as coxas. Um gozo intenso e profundo. Busquei respirar fundo e disse:

- Me beija...

Ele veio subindo por meu corpo. Nossos lábios se tocaram e nossas línguas se fundiram. Com a mão esquerda eu segurava seu pau, que estava duro como pedra. Comecei a brincar. Esfregava a cabeça do seu pinto no meu grelinho.

- Você ama a mamãe?

- Muito... eu nunca te trairia...

Eu continuava pincelando o seu cacete no meu clitóris.

- Você gosta da xoxotinha peluda da mamãe?

- Adoro...

- Você tem vontade de enfiar o pinto aqui dentro, tem?

- Você sabe que é o que mais quero, mãe.

- Então passa só na portinha... mas não pode enfiar!

Eu comecei a pincelar a cabeça na entrada da minha racha. Estava ensopada, e eu sentia aquela cabeça lustrosa e inchada deslizando na entradinha. Ele devia estar louco pra meter, mas respeitava meus limites.

- Você gosta, safadinho?

- É bom demais!

- Sou mais gostosa que aquelas putinhas da sua faculdade?

- Muito mais...

Eu respirei fundo e dei a ordem, que ele há tanto esperava:

- Enfia só a cabecinha... só a cabecinha, e bem devagarinho.

Comecei a sentira a ponta daquele cacete grosso querendo entrar em mim. Eu segurava seu pau, evitando que ele enfiasse de uma vez. Eu estava torturando, e morrendo de prazer, tendo que me segurar pra não gozar. André estava com cara de tesão extremo.

- Você gosta da bucetinha da mamãe?

- Muito - respondeu ele, arfando.

- Coloca bem devagarinho... bem devagarinho que a mamãe não tá acostumada.

E ele veio, obediente, bem devagar. Fui sentindo aquela carne dura, quente e pulsante entrando em mim, preenchendo minhas entranhas. Nunca vou esquecer o prazer que senti. Ele foi entrando, lentamente, enquanto eu me contorcia. Senti aquele mastro se alojando inteiro dentro de mim. André soltou um grito de prazer:

- AAAAAIIIIII! Ai mãe! Que gostoso!.

Minha reação foi puxar a sua cabeça e enfiar a língua na sua boca. O beijo mais maravilhoso que já dei em alguém.

- Devagar, André.... seu pau é muito grande. Bem devagarinho!

Ele soltou seu corpo em cima do meu e nos atracamos num beijo apaixonado. Eu sentia seu pau todinho dentro da minha vagina, a mesma vagina onde ele foi gerado e de onde ele nasceu.

O incesto, finalmente, estava consumado.

Quando nossas bocas se desgrudaram, André olhou nos meus olhos e disse:

- Te amo, mãe... eu sempre te quis.

- Então vem... bem devagar....

Ele começou a movimentar seu pau dentro de mim. Não precisou muito para que eu começasse a gemer alto. Eu estava louca, bêbada, fora de mim. Ele ia acelerando os movimentos, como se quisesse me testar, ver até onde eu aguentava.

- Vem... me come! Come a tua mãe! Diz que me ama e me come gostoso, filho!

- Te amo... gostosa! Sempre quis te comer!

Nesse momento ele começou a meter com vontade. Eu gemia, gritava. O segundo orgasmo veio como um maremoto invadindo minha alma:

- Mete! Mete na tua mãe! Issoo! Fode! Fode que eu vou gozarrrrrrr! AHHhhhhhhhhh!

Ao sentir o gozo parecia que eu ia desmaiar. Eu estava gozando no pau do meu filho, sangue do meu sangue. Gozei, mas André não parou de meter. Ao contrário, acelerou mais ainda. Eu nunca tinha dado para um pau tão grande, mas não sentia dor, só prazer.

Ele suava, revirava os olhos, parecia tão fora de si quanto eu.

- Ai, mãe! Que delícia! Eu vou gozar gostoso!

- Goza dentro, filho! Goza dentro de mim!

- Deixa, mamãe? Deixa eu gozar dentro?

- Deixo! Vem... me fode! Fode com força e goza dentro da tua mãe!

Como eu já disse no primeiro conto, problemas no parto fizeram com que eu não pudesse ter mais filhos. Ele poderia gozar tranquilo, sem medo de uma gravidez.

- Vou gozar! Vou gozar, mãezinha! AHHHHHHHHH!!!

Ao sentir seu gozo o puxei para dentro de mim. Seu cacete estava cravado bem no fundo das minhas entranhas. Meu filho gozou litros. Eu sentia direitinho cada jato de seu esperma quente me invadindo. A sensação foi tão intensa que eu gozei de novo.

Nós dois não conseguíamos falar. Estávamos exaustos. A cama encharcada com nosso suor. Nossas bocas se procuraram naturalmente. Estávamos atracados, seu pinto dentro de mim, seu leite me inundando. O gozo mais profundo que dois seres humanos podem ter.

Devemos ter ficado mais de meia hora nos beijando, nos acariciando. Não conseguíamos falar nada. Palavras não poderiam descrever o que sentíamos. Finalmente ele disse:

- Mãe... eu te amo...

- Eu também te amo, filho...

- Eu nunca gozei tanto...

- Nem eu... você é muito gostoso!

Nunca me senti tão mulher, tão fêmea, e ao mesmo tempo, mãe. Nossos corpos grudados em nosso suor. Quando o pinto dele finalmente amoleceu e saiu de dentro de mim, eu não pude resistir e levei a mão até lá. Minha xoxota estava cheia do seu esperma, até escorria. Eu me sentia a mulher mais pecadora, mas ao mesmo tempo, a mais amada do mundo.

A madrugada chegava. Nossos carinhos ficavam mais lentos até que adormecemos, abraçadinhos.

O que aconteceu no dia seguinte a essa noite de loucura eu conto no próximo capítulo. Não esqueçam de comentar, pois eu gosto muito de saber o que você pensam.


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario aventura.ctba

aventura.ctba Comentou em 15/06/2017

Nossa, amei seu conto...que delicia, votado com certeza. Irei adorar sua visita na minha página...Beijos. Ângela: Casal aventura.ctba

foto perfil usuario treinadorsafadosp

treinadorsafadosp Comentou em 19/04/2017

Delícia de conto,eu vivo algo parecido com a super mãe loira de um amigo,veja o meu conto e se precisar de mais um amigo pra foder vc numa linda dp,me convida bjos.

foto perfil usuario bomaluno1000

bomaluno1000 Comentou em 07/04/2017

Quero isso tambem pra mim...

foto perfil usuario ricosp

ricosp Comentou em 12/03/2017

Por.mais que vc evitasse isso estava claro que um dia ele ia comer sua buceta !!!! E que trepda hein !!!

foto perfil usuario bianor

bianor Comentou em 21/02/2017

Bjus na piriquitá,até que fim aconteceu ñ te disse que vc ia fuder com teu filho espero q vc ñ pare com os contos.

foto perfil usuario hcock

hcock Comentou em 31/01/2017

- Você gosta da xoxotinha peluda da mamãe? Ual!! Eu sem ver uma vez só de imaginar adoro a buceta peludinha que vc tanto fala e que seu filho provou, agua na boca e eu pulsando em uma masturbação intensa!

foto perfil usuario urbanosp

urbanosp Comentou em 23/01/2017

Excelente narrativa. Gostei muito da evolução lenta e com grande conteúdo erótico, sem apressar o ato sexual. Parabéns menina. bjs

foto perfil usuario casadosafadopl

casadosafadopl Comentou em 19/01/2017

Nossa a cada capítulo fica mais excitante seus contos, vc narra muito bem, só faltou vc colocar algumas fotos suas, parabéns e votado!

foto perfil usuario extasenegro

extasenegro Comentou em 19/01/2017

Sua escrita é incorrigível (na acepção do termo, não tem o que corrigir) o que evidencia sua cultura e formação. Tenho dois contos com a mesma temática: se me der a honra de lê-los 56490-Mamãe/75634-A MÃE DO AMIGO ambos são verídicos mas enfocam a ótica do outro lado. Beijos e Parabéns. Um admirador.

foto perfil usuario lcd23sex

lcd23sex Comentou em 19/01/2017

Olá os seus contos são fora de série ótimo seria uma palavra pouca pelo que vc faz Tudo perfeito Muito muito muito excitante parabéns mesmo Se possível me aceite lhe mandei um convite Já tive experiências incestuosa e que eu mas queria era poder conversa cm alguém assim Tenho 2 contos se poder leia

foto perfil usuario lcd23sex

lcd23sex Comentou em 19/01/2017

Olá os seus contos são fora de série ótimo seria uma palavra pouca pelo que vc faz Tudo perfeito Muito muito muito excitante parabéns mesmo Se possível me aceite lhe mandei um convite Já tive experiências incestuosa e que eu mas queria era poder conversa cm alguém assim Tenho 2 contos se poder leia

foto perfil usuario aninha 37

aninha 37 Comentou em 19/01/2017

Maravilhoso,a cada conto seu eu me imagino no seu lugar.

foto perfil usuario casadobiabc

casadobiabc Comentou em 19/01/2017

E ai quando vai liberar o cuzinho pro menino? Tira umas fotos de sua bundona!! Beijosssssj

foto perfil usuario monteslz

monteslz Comentou em 19/01/2017

aconteceu!!!!, eu estava esperando essa narração da penetração, fico no aguardo do próximo relato

foto perfil usuario fabao2016

fabao2016 Comentou em 18/01/2017

incrivel.... amei

foto perfil usuario regi safadao

regi safadao Comentou em 18/01/2017

Parabens belo conto e q tezao

foto perfil usuario zeiky

zeiky Comentou em 18/01/2017

Assim a sr me mata !!!!!!!!




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


95077 - Desabafo de uma mãe - Cap I - Categoria: Incesto - Votos: 78
95124 - Desabafo de uma mãe - cap II - Categoria: Incesto - Votos: 55
95315 - Desabafo de uma mãe - cap III - Categoria: Incesto - Votos: 47
95443 - Desabafo de uma mãe - cap IV - Categoria: Incesto - Votos: 47
95535 - Desabafo de uma mãe - cap V - Categoria: Incesto - Votos: 37
95667 - Desabafo de uma mãe - cap VI - Categoria: Incesto - Votos: 42
95727 - Desabafo de uma mãe - cap VII - Categoria: Incesto - Votos: 47
95870 - Desabafo de uma mãe - cap IX - Categoria: Incesto - Votos: 42
96009 - Desabafo de uma mãe - Cap X - Categoria: Incesto - Votos: 36
96094 - Desabafo de uma mãe - Cap XI - Categoria: Incesto - Votos: 38
96154 - Desabafo de uma mãe - Cap XII - Categoria: Incesto - Votos: 33
96294 - Desabafo de uma mãe - cap XIII - Categoria: Incesto - Votos: 34
96371 - Desabafo de uma mãe - cap XIV - Categoria: Incesto - Votos: 33
96535 - Desabafo de uma mãe - cap XV - Categoria: Incesto - Votos: 31
96802 - Desabafo de uma mãe - cap XVI - Categoria: Incesto - Votos: 31
96939 - Desabafo de uma mãe - cap XVII - Categoria: Incesto - Votos: 32
97451 - Desabafo de uma mãe - cap XVIII - Categoria: Incesto - Votos: 30
97689 - Desabafo de uma mãe - cap XIX - Categoria: Incesto - Votos: 30
98916 - Desabafo de uma mãe - cap XX - Categoria: Incesto - Votos: 28
99279 - Desabafo de uma mãe - cap XXI - Categoria: Incesto - Votos: 23
99545 - Desabafo de uma mãe - cap XXII (com fotos!) - Categoria: Incesto - Votos: 75
99895 - Desabafo de uma mãe - cap XXIII - Categoria: Incesto - Votos: 28
101625 - Desabafo de uma mãe - cap XXIV - Categoria: Incesto - Votos: 27
101977 - Desabafo de uma mãe - cap XXV (mais fotos!) - Categoria: Incesto - Votos: 39

Ficha do conto

Foto Perfil soniamello2
soniamello2

Nome do conto:
Desabafo de uma mãe - cap VIII

Codigo do conto:
95805

Categoria:
Incesto

Data da Publicação:
18/01/2017

Quant.de Votos:
54

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


grávida do amante contoconto erotico dona casa no quintalcontos de corno esposa gravidaquadrinho porno gay adolecentesconto de corno mia mulhe gostosa arobada pro u badido bemdotadocontos mia mulhezinha arumou u amate muito bemdotado ela gemi muito na rolona dele contosquadradinho erotico incesto COM HUMORzecoa o bem dotadoContos erotico eu e minhas priminhas inocência perdendo a virgindade com un velhocontos meninos bobinhos meti a rola sem dòcomercuegostosooldmengirlspornocontos eroticos incesto fiz um bebê na minha filhacontos erótico comendo a japonecinha de onze anoscontos comeu minha cunhada e minha esposabieljr menagecontos eroticos gay forçados 2017Fotos erlticasconto erotico syberconto ela viu punhetacontos erotico no morropornô brasileiro fui convidado para ir para casa da amiga minha na fazenda ela tava de babydollconto erotico ele me fudeu gayconto erótico de gato bi conto eroticos sequestrou mãe filha enrabadaincesto 6 em nome do pai e da filha phContos eroticos zoofilia os filhos do vizinho meteram na cachorra dalmata Conto de puta depravada servindo a muitos machosporno contos todos emgatados trenzinhocontos de putaria sou safada minha amiga que me ajudar fazer um dp com negrosconto erotico de incesto com enteada,e fotocontos eroticos anal emrabando a professora do estágiocomendo a bucetona da madrinha contosmadrasta nua contover putas porkas com o ku e com as mamas grandes a fudercontos eroticos engravideihentai shemale fuckingdano en sala de aula surubacontos eroticoscontos porno gratis estupro submissãocontos eroticos de neta, avo, sogro ,sogra e tia norasou loirinha dei o cu aem parar no beco escuro contos eroticosvidio amador cao engatado na sua dona e rnche ela de porrameu sobrinho conto eroticoaconto eroticoContos.eroticos.com.fotos de.sobrinhos comendo tias safadas na casa dos.cornospono conta erotica de relato melando o pau do negão de bostatop contos eroticos corno pag 74conto erotico o tio da portariaconto de incesto deixei o irmão da minha esposa comer elacontos eroticos meu irmaozinho dormindodando um trato a vizinha do lado quadradinho eróticomae deu mole pro novinho na maquina de lava pornoContos eroticos.meu filho e minha calcinhaspintei a casa da minha cunhada com minha esposa cantos eroticosdeixo meu irmãozinho bater punheta vendo minha bundaarrombei minha mãeMeu tio joaquim contos eroticosgozadas longasme chupou na frente do meu marido contocontos eroticos comi o cu da minha irma e da minha mae na praiaperdi as preguinhas do cu quando era pequenatres negoes piroculdos na piscina video porno gaycontos fantasia de minha esposa cheirar calcinhacontos com fotos comendo cu travesti bebadaPresente pro meu corno.conto eróticoContos padrasto quebrando cabaçod dez anoscontos eroticos me esfregando no vizinhoContos linda mulher gostosa (travestirhq porno mae gostosa dando gostoso pro filhoConto de incestos de filha e pai pasto e maeconto erotico minha amiga de presente pro meu maridocontos eroticos de homem com tesao faz no escurinho do cinema pornocontos erôticos chantagiadas pelos proprio filhoscasa dos contos fudendo com a macharada da familiacontos estrupada estacionamentoContosacordando a irma para fodercontos eroticos comendo uma dona de casa de bikiniConto erotico quando eu era pequena mamae fazia eu pega no pinto do meu paicontos eroticos amante bem.maiorgravida do negro dela conto eroticocontos eróticos eu meto e conto tudo oro meu maridoPauzudo mijando[email protected]Foto pornô padrinho tanzâ com afilhadacontos eroticos nundismo com a mae de amigoAmadora bumduda torneada nuaconto gay sexo com primo mais velhoconti porno mulher do pastor