Iniciacao lesbica

Click to this video!


O acaso me levou a essa experiência lésbica que arrisco a narrar até para tentar compreender se foi realmente uma surpresa ou apenas o despertar da preferência sexual adormecida no espírito ou controlada pelas convenções sociais. Sou chegada a uma vã filosofia, mas sei que isso não agradará aos leitores, ávidos pelas sensações reais e a descrição dos prazeres da carne. Vou arriscar.
Era uma manhã de segunda-feira, pleno verão, com o sol se intensificando com o passar das horas. De férias, sem muito o que fazer, me desloquei para a minha outra casa, esta é a única vantagem de ter pais separados. Fui me bronzear na pequena piscina, quase um tanque, da cobertura, que fazia parte do edifício solitário da rua. Desta forma, sem correr o risco de ser observada, fiquei bem a vontade, apenas com a calcinha branca, que só deixei como um instinto de pudor, apesar dos tufos púbicos esbaldando-se.
Já havia me masturbado ao som da voz de um inconveniente empresário. Não sentia qualquer tesão pela figura exótica, mas ainda assim se fazia mais real do que a nem sempre criativa imaginação. Eu me considero artista na interpretação e não na criação. Em seguida, atendi a chamada de uma coreógrafa do teatro. Havíamos viajado juntas para um Festival de Arte e tínhamos interesses profissionais em comum. Como ela estava no mesmo bairro, convidei-a para vir conversar pessoalmente.
Evitei me descrever pessoalmente, porém se torna obrigatório neste momento. Quando ela venceu os degraus da escada em sanfona, eu estava de costas, em pé, observando a paisagem cinzenta. Não sei quanto tempo me observou. Eu só dei conta dela, ao escutar os passos da empregada e seus gritos serviçais. A minha visita estava fascinada com a visão: eu no ápice da forma, com quase 1,90m, pernas grossas, mas graciosas, a calcinha separando com exatidão às nádegas carnudas e o cabelo longo, negro, descendo até metade das costas, espalhando-se ao lado. O ar de espanto e satisfação da pequena se descontrolou de vez com o impacto dos meus seios recentemente turbinados, empinados e acompanhando a minha respiração ofegante.
Eu sentia toda a desproporção da situação. E fazia questão de exibir toda a minha volúpia. Dali, assim se chamava, aparentava um misto de medo, desejo e ansiedade. Ela se sentou numa das cadeiras. Eu me aproximei, coloquei o meu imenso pé esquerdo em cima de sua coxa direita e ordenei: ´lambe`. Não escutou nem a segunda sílaba e já passeava a língua úmida entre os meus dedões, não se importando com as estocadas das minhas unhas no céu de sua boca. Fiapos de sangue mesclavam ao líquido gosmento e cessei a brincadeira por piedade.
Hesitada ao extremo, exigi que se atirasse na piscina e como titubeou, eu a empurrei sem dó, tendo o cuidado apenas de tirar a sua bolsa. Dali caiu de barriga e ao emergir os seus seios redondos e de tamanho apetitosos se desenhavam na camiseta branca molhada, quase transparente. Eu tirei a calcinha e mergulhei em cima e percebi que meu joelho direito esmagou o seu tronco. Eu não me controlava e apliquei-lhe dois caldos, mantendo seu rosto imergido na água, com seus curtos cabelos escorrendo entre meus dedos. Vendo-a totalmente entregue, retirei-a da água.
Como uma louca, deitei-a sobre o assoalho de madeira, rasgava sua blusa com os dentes, mordendo os bicos dos seios, que pareciam inchar a cada dentada. Ela tremia de frio e tesão. Mas o que me estimulava era ver seus olhos indefesos, como conscientes que seu corpo seria devassado sem a menor cerimônia. Desabotoei a sua bermuda e a minúscula calcinha preta desceu junto, saindo pelos pés, já livres dos tênis brancos. Era uma buceta raspada, de um rosa brilhante, que se contorcia involuntariamente (ou voluntariamente) esperando ser sugada. Como não tinha prática, fui agressiva, sem, tato, enfiando a língua e os dedos de forma alternada, com o único intuito de a ver sentindo dor e não prazer.
Foi, então, que toda a sua experiência, devia ter no mínimo 15 anos a mais, o que significava muitas horas e horas de sacanagem, me desnorteou. O sussurro chegou quase inaudível ao meu ouvido esquerdo: “hora de empatar o jogo.” De forma insensata, dei três tapas na sua cara redonda, que permaneceu impassível, apesar das marcas roxas indicarem a dor que deve ter sentido. Àquele toco de gente, nem chegava a 1,60m, se livrou dos meus braços, e retomou a trajetória, desta vez beijando carinhosamente os meus pés. Sugava tudo e com os lados da língua fazia cócegas nos tendões, ladeando ambas as minhas pernas, com àquela atitude de felina, devorando batatas, joelhos, coxas, virilhas até se fartar com minha buceta peluda, toda ela ensopada de suor, gozo e, lógico, água clorada.
Não foi preciso nem pedir, os seus pequenos dedos me penetravam, ora rápidos, ora lentos, parecendo crescer nesse vai e vem, o meu clitóris recebendo delicadas massagens. Sem um gesto de força, me consumiu e eu gritava, berrava pedindo para continuar. Às vezes, interrompia o coito, para brincar com os turbinados, roçando os entorpecidos mamilos nos seus, além de dar-me beijos alucinantes. Talvez, essa brincadeira durou de 10 a 15 minutos, como medir o tempo numa situação de êxtase? Foi apenas o soar da campainha em baixo que me despertou. E, com habilidade, colocou meu roupão, enquanto eu recolocava a calcinha, para manter as aparências. Desde então, a mulher-cavala que sou na presença de um macho viril, transforma-se em gatinha de estimação da coreógrafa.


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


Ficha do conto

Foto Perfil Conto Erotico rela494680

Nome do conto:
Iniciacao lesbica

Codigo do conto:
6654

Categoria:
Lésbicas

Data da Publicação:
25/12/2005

Quant.de Votos:
0

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


contos erotico tia pega sua irma dando para seu propio filhoconto erotico novinha maloqueiroconto erotico sou pai liberal e levei minha filha no ginecologistaContos gay urologistameu corninho vc quer ver sua mulherzinha feliz e realizada arruma um macho novinhocontos eroticos de travesti fodendo com suas maes e imascontos mia mulhezinha arumou u amate muito bemdotado ela gemi muito na rolona dele contosConto erotico corno capixabaquadrinhos amigos negros interracialhistorias eroticas de esposa dando a bundia para outro,contos do ano de 1900conto herotico brechei minha mulher em casa transando com quatro homemcontos eróticos de casadas rabudas humilhando o corno de pau pequenolambi o pezao 44 conto gayContos eróticos picantes de gays com fotos ilustrativasimagens de homem macho transando com médico macho em quadrinhoscasada paga alugueo atrasado conto porniContoerotico filinha pré adolecenteDesenhos porno de incesto familia favela dividindo o banheirocontos eroticos vi a minha mulher gigantescocontos gay apartamentoporno mineiro mulheres sedusindo meninas enossenteconto erotico ele me,comeuquadradinho de erotico bom de lerme chupou na frente do meu marido contoconto erotico achei uma camisinha e uma calcinha na bolsa da esposaconto erotico tres dias de sexo esposa puta com10 negros marido cornoboafoda egravidadoprima rabuda e ingenua 2!!contos eroticostravetiPorno contos avos iniciando ninfetinhas no incesto maes paisquadrinho erótico amante 3Dfrancinecross crossdressqudrinhos eroticos hentai comics vovo taradocontos eróticos em guadrinhos de lindas coroas ralconto ertico casada leva muita picagordos pirocudos batendo punhetaporno brasileiro titia da o cuzinho apedadihovigiei a mulher conto eroticoconto esposa leggingcontos mia mulhe gemedo muito no rolona grade do amate eu vipsicologas rabudas contosConto erotico gay amigo do meu paiEngravidei a Gostosa bundudaputona nuadominadoras gostosas contoshq hentaiamigo chega deprimido e amiga bate uma pra ele hq henraiconto gay socada no filhoquadrinhos eroticos a cu invocante 1hq porno do jasmanfui na casa da minha cunhada para buscar ela mas ela pediu para mim levantar o zíper do vestido dela o que aconteceucontos eroticos vovowww.tava tomado banho minha entra casa de banho e me da sua pucetarelatos encoxando a mae na praiacontos eróticosde quadrinhos chorando na picamarido com esposa no acampamento contoscontos eroticos incestos trai meu marido com meu filhoteQuadradinho erotico conto 2006Conto erotico bucetinhacontos eroticos gay putinhaConto erotico putaria carnavalconto erotico gay com o motoboyFlagrei minha tia de calcinhacontos eroticos esposa ensiminada pelo comedorpique esconde com uma branquela gostosa conto erorticoquadrínhos hentai sogro taradoconto erotico prima dando para o primoencoxada olhando desfile contos eroticoswww.zooskool cunhada tarada pela pica do cavaloSEXOS. BEM ERODICOso as tarada dolecente quebrando a sua virgindade de mini saia sem tirar a calcinhamolhada.Conto erotico esposa e o.negãocontos d corno bifavela eroticocontos eroticos da amiguinha de escola da minha filhaconto porno depilando p cuultimos contos sadoconto gay no kitnet com papai