Diogo, o rapaz que tinha vagina!


Click to Download this video!


Conheci Diogo numa deambulação pelo Bairro Alto, numa zona de tantos bares e lugares de diversão noturna encontram-se as pessoas mais surpreendentes. Nessa noite entrei já tarde num bar-discoteca gay friendly onde os clientes se sentem em casa, com a mestria dos DJs e a simpatia dos empregados. Aproximei-me do balcão e reparei num docinho novo que ali irradiava simpatia. Como ursos à volta do mel, todos procuravam ser atendidos pelo puto (rapaz) novo, que com total simpatia e profissionalismo distribuía bebidas e sorrisos. Chegada a minha vez pedi o gin do costume e ao segurar o copo toquei na mão de Diogo, foi como se tivesse apanhado um choque, olhei-o e reparei que estava sério olhando para mim, logo de seguida tornou a ser ele próprio e continuou a atender os clientes que se aglomeravam em torno do bar. Fui até à pista de dança, onde vários casais, de géneros variados, davam asas à imaginação, roçando-se apalpando-se e beijando-se com paixão e luxúria. Num canto duas deusas do olimpo dançavam languidamente apalpando-se e beijando-se enquanto seguravam os peitos generosos e olhavam em torno, mostrando as línguas lascivas e causando inveja a quem as rodeava. Do outro lado um barbudo de tronco nu com as mãos na cabeça, olhava para o teto de olhos fechados enquanto balançava ao som da música techno house rodeado por amigos, aproximando-me pude ver um urso peludo vestindo um arnês de cabedal que, ajoelhado no centro da roda de quarentões, mamava o primeiro. Mais à frente uma rapariga visivelmente embriagada, com um dildo preso no topo da cabeça, tentava despir-se provocando o pânico das amigas. Ri-me das figuras que se faz nas despedidas de solteiro e continuei pela sala, onde par de homens lindíssimos, se beijava de forma apaixonada e dançava lentamente, em contra corrente com a multidão que saltava ao som frenético da música. Dei mais uma volta e regressei ao bar onde fiquei bebendo e observando Diogo. Com cerca de 26 ou 27 anos, menos de 1,70 m e uns 65 Kg, tinha os cabelos castanhos rente à cabeça e uma barba fina que emoldurava as feições andróginas, contrastantes com os braços cobertos de tatuagem e os alargadores que usava nos lóbulos das orelhas, pelo decote do colete via-se a penugem que lhe cobria o peito e me atraía como um imane. De tempos a tempos olhava para mim e sorria de forma intimista e triste como se nos conhecêssemos, depois desviava o olhar e continuava o seu trabalho. Desviei a atenção para cumprimentar conhecidos e, passado algum tempo voltei a olhar para o bar, mas Diogo não estava lá, tendo sido substituído por Catarina, a barmaid habitual. Sai com pena de não ter falado com o moço e resolvi entrar numa sauna, que tinha aberto recentemente. Na sala de tv estavam alguns homens sentados nos sofás, conversando e apalpando-se, que olharam para mim com alguma curiosidade mas sem dar importância. Fui até à ao ginásio, quase vazio apenas com dois utilizadores no jacuzzi que olharam com ar guloso, mas não me despertaram interesse. Na sauna estava a acontecer uma festa de aniversário, disfarçada de orgia romana. Um urso grande e barbado envergando apenas uma coroa de louros, era apalpado e lambido por dois rapazes negros e um loirinho de caracóis, que estavam acorrentados como se fossem escravos. Em redor, os restantes ursos esgalhavam os caralhos e lambiam os cus uns dos outros rindo como porcos, olhando para um malabarista que lançava bolas ao ar, com uma maraca enfiada no cu. Persentindo carne fresca chamaram-me para a festa, mas preferi afastar-me e procurei refúgio no banho turco, que parecia vazio.
Entrei, tirei a toalha e sentei-me, apreciando o odor fresco a eucalipto e o sossego da sala vazia. Após um momento olhei em redor e para minha surpresa reparei que havia alguém refugiado no canto mais recôndito da sala, habituei os olhos e, surpresa e maravilha, Diogo encontrava-se ali. Com ar infeliz e de toalha em redor da cintura não reparara que alguém havia chegado. Deu um salto quando me sentei a seu lado e pousei a mão na sua perna, mas vendo quem era sorriu novamente com aquele ar triste e enigmático de antes e pousou a cabeça no meu ombro, deixando rolar uma lágrima. Abracei-o e beijei-o, então disse-me que lhe fazia lembrar o tio, com quem tinha vivido até há algum tempo, antes de este ter morrido num acidente de automóvel. Abracei-o com força e fui recompensado com a sua mão pousada no meu caralho segurando-o com força, Diogo baixou-se e ajoelhou diante de mim, depois, segurando a minha pila, começou a lamber em redor da cabeça beijando o freio até aos tomates e voltando para abocanhar toda a glande, fazendo um broche maravilhoso. Quase a vir-me, levantei-o e beijei-lhe os mamilos arrancando-lhe um suspiro profundo, reparei que apresentava umas estranhas cicatrizes sob os peitorais, beijei-lhas e ele gemeu largando mais uma enigmática lágrima. Estranhando que não houvesse qualquer volume de tesão entre as pernas daquele rapaz, tentei tirar-lhe a toalha, mas Diogo esquivou-se e deu-me um linguado bem molhado, enrolando a sua língua na minha. Depois beijou-me o pescoço, os ombros, o peito e as axilas, puxando os pelos com os dentes. Levantei-me e olhei para aquele jovem malandro e carinhoso beijando-lhe a boca, os olhos e a testa. Diogo aproveitou e virou-me cuidadosamente contra a parede, fazendo-me apoiar uma perna no banco de pedra e o braço na parede, depois abrindo as minhas nádegas beijou-me o rabo, enfiando a língua no meu cu, fazendo-me gemer de prazer e rir com a cocegas que a sua barba macia fazia nas minhas nádegas peludas. Virou-me novamente fazendo-me sentar e posicionou-se sobre mim, de frente, descendo sobre o meu caralho duro, olhando-me intensamente. Tentei puxar a toalha e novamente fui impedido, então resolvi aproveitar o momento, abri as pernas fincando os pés no chão e as mão no banco, pronto para sentir o cu de Diogo engolindo a minha masculinidade. Diogo segurou o meu caralho, agarrando-o pela frente de si e não por trás como seria de esperar, nessa altura senti-me ser envolvido por algo macio e húmido que me engoliu com facilidade, enquanto ele soltava um suspiro de prazer. Arranquei-lhe a toalha e, olhando para baixo, vi um lindo grelhinho rosa onde esperava ver um caralho teso. Diogo olhou-me de forma receosa. Mas vendo o que o meu espanto dava lugar a prazer, acalmou-se e começou a menear as ancas no que foi ajudado por mim, segurando-lhe as nádegas para facilitar a penetração. Continuamos fudendo e beijando-nos, Diogo chupava o meu caralho com os músculos pélvicos, criando uma sucção fantástica. Quase a vir-me, forcei para me segurar, ele não o fez e veio-se duas vezes gemendo baixinho enquanto o seu corpo soluçava em pequenos espasmos. Ficámos abraçados durante um pedaço, até que Diogo saiu de cima de mim e sentou-se a meu lado contanto que era transsexual feminina, mudara o nome de Diana para Diogo e não pretendia fazer a operação de mudança de sexo, pois gostava de ser homem mas também gostava de fuder com a sua ratinha. Algum tempo depois estiquei o braço e toquei no seu clitóris com os dedos e forcei a mão, fazendo-o abrir a pernas para senti-lo melhor. Aconchegando a minha mão contra si enfiei dois dedos na sua vagina, arrancando-lhe novos gemidos. Com os dedos medio e indicador tocava-lhe o ponto G, enquanto lhe massajava o gelinho com os mesmos dedos da outra mão. Diogo gemia, -Sim! Oh, sim!, -Gostas! - Disse eu, -Sim, os teu dedos parecem os de um ginecologista… -Sentem, tocam, mas não magoam. - Veio-se novamente e deixou-se cair exausto, com um suspiro profundo. Depois de três orgasmos, Diogo estava saciado, mas eu não me tinha vindo e não me apetecia bater uma punheta, tendo aquele ser fantástico ao meu dispor. Baixei-me e passei a língua pela sua rachinha enfiando-a o mais que pude, depois chupando o seu grelinho rosa, molhei um dedo com cuspo e enfiei-lho no cu. O grelinho de Diogo correspondeu, intumescendo, ganhando volume, parecendo uma minúscula pila que chupei, alternando as linguadelas entre o grelo a vagina e o seu cuzinho. Rodei sobre Diogo, posicionei o meu caralho de forma a fazermos um 69. Diogo correspondeu e agarrando os meus tomates chupou-me o margalho e devolveu a simpatia, enfiando um dos seus dedos no meu cu. Ficámos assim por um tempo brincando com os nossos sexos e cus, até que quase a vir-me, girei rapidamente e enfiei-lho todo no cu. Vim-me, enchendo-lhe o reto de esporra, enquanto lhe massajava com clitóris com o polegar e o olhava no fundo dos seus olhos, arrancando-lhe novos gemidos de prazer.
Foto 1 do Conto erotico: Diogo, o rapaz que tinha vagina!

Foto 2 do Conto erotico: Diogo, o rapaz que tinha vagina!

Foto 3 do Conto erotico: Diogo, o rapaz que tinha vagina!

Foto 4 do Conto erotico: Diogo, o rapaz que tinha vagina!

Foto 5 do Conto erotico: Diogo, o rapaz que tinha vagina!


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario ronald43

ronald43 Comentou em 05/09/2015

Impressionou-me a criatividade do conto, e sobretudo as fotos... Novidade pra mim isso de trans femininas curtirem homem...

foto perfil usuario ronald43

ronald43 Comentou em 05/09/2015

Impressionou-me a criatividade do conto, e sobretudo as fotos... Novidade pra mim isso de trans femininas curtirem homem...




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


63395 - Tetra Sex - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 11
63455 - O mouro encantado - A lenda - Categoria: Masturbação - Votos: 4
63696 - A lenda do mouro encantado - Calisto - Categoria: Gays - Votos: 7
64042 - O pintor - Categoria: Gays - Votos: 13
64789 - O pequeno Jornalista - Categoria: Gays - Votos: 9
64793 - Futsal - Categoria: Gays - Votos: 15
66122 - Não há duas sem três. - Categoria: Masturbação - Votos: 4
69778 - Gala - Categoria: Gays - Votos: 6
69911 - O Kilt - Categoria: Gays - Votos: 8
70012 - O jardineiro - Categoria: Gays - Votos: 14
70129 - Urrando (A aposta) - Categoria: Gays - Votos: 11
70349 - Na piscina - Categoria: Gays - Votos: 11

Ficha do conto

Foto Perfil paumaduro
paumaduro

Nome do conto:
Diogo, o rapaz que tinha vagina!

Codigo do conto:
65550

Categoria:
Fantasias

Data da Publicação:
26/05/2015

Quant.de Votos:
10

Quant.de Fotos:
5


Online porn video at mobile phone


contos de incesto mae e o filho enfermeiroconto erotico ilustrado travesti bem dotado arrombou a buceta da esposa do corno de pau pequenoconto erótico gay. meu amigo gamou no meu paicontos de encestos no metroquero ver o conto erótico esposa deu o c* gritando para o marConto erotico interacial quadrinhoai como foi gostoso ser puta daquele traveco pirocudo na frente do corninhohq gay sexo pai e filhomonstro em paris pornomini saia bunfaomae indecisa conto eróticocontos de filha sem calcinhadona neusa do cusao contosContos favela eroticosmulher casadaconto erotico com cachorroquadrinhos eróticos - sogra da sobrinhaContos eroticos dei no portãoporno contos eroticos mamaeos convidados comeram minha mulher hentai e contos eróticosconto de uma putafantasia de meu marido cornocontos eroticis bete a cunhada gostosaconto erotico de incesto com enteada,e fotoconto decu de esposa traindo com camioneiosexo incesto com calcinha novinhascontos historiasContos Eróticos De. Dona Carmen A Coroa Mãe Do Meu Amigocontos gay apartamentoconto erotico gay meu vizinho casado conto eroticoConto erótico de esfregando na sobrinha novinha.meus contos eu estupei minha cadelapornocontos heroticos cinco contra umConto erótico gay boquete com amigoscontos porno histórias em quadrinhoscontos eroticos putinhaConto erotico novinha grita no cavalocontos incesto meu filho machucadocontos eróticos no cuzinho de mamãesinhacontos gay encoxadochupei conto erotico gayconto erotico brincadeira pique escondeسکسی سکس کارتونیo coroa pescador fudendo o amigo conto gaydei a buceta para meu pai e casei com elequadradinho da crente inocente safada em conto eróticosmeu pastor me chupou contoscontos eroticos de viadinho fresco sendo arrombado por um cavalocontos erotico - a cunhadinhaultimos contos sadoconto erotico mulher aregacada pelo morador de ruaconto erotico maria aliceconto erotico em ravidei do meu sogro chupei a filha deleconto erotico masturbationsExvideo fragei a cunhada no qarto se masturbano e fis ela goza na linguacontos erotico/filhinha quer banhoconto erotico vendo maninha mijar nao aguentei e bati uma unhetaconto de sexo duvidei que minha mulher aguetava dua e ela aguentou tres rola negra me chamando de cornoContos eróticos com bezerraluta porno gaydesenho porno de negaoconto erotico no caminhao gaycontos transei com minha tia gostosa no cinema ela chupou 23cmaniversário para puta de buceta mozfotos buceta menstruadasouputinha do papai e seus amigos contos eroticosconto erotico promotora gostosaminha mulher no clube contos eroticos com fotoscontos meu filho me viu peladaconto erotico meu filho novinhoduas gostosa comendo na cozinha heitaencoxada na esposa do cara contosxvideis 2017comi a minha tiacontos eroticos minha esposa conservadora entrou na putariaconto mae nua filho metequadrinhos 3d pornôcontoeroticodfcontos eroticos o pirocudo do orfanato[email protected]contos eroticos eu batendo puhenta e minha tia ciririca juntostoma no cu depois d xarona gordona