O negão roludo e o filhinho do patrão


Click to Download this video!


Papa Viado
Me chamo Antonio, tenho 35 anos, solteiro, formado em Administração. Fisicamente 1,90, forte, pois vim do campo e mantenho cuidado com o corpo. O que tenho para contar são minhas aventuras na procura de saciar meus desejos sexuais. Gosto de tudo, buceta, peito, cu e tenho tara por cu de macho. Não renego nenhum, mas prefiro os mais fresquinhos, estes geralmente são submissos melhores. Sou dominador, sem extremos, sem violência excessiva, ou humilhação desnecessária. Basta o viado ser obediente. Tratar como sagrado, meus 25 cm de cacete grosso. Este é o cetro que mantém a fila cheia para poder me servir.
Não tenho mulher fixa, tenho quase que sempre um viadinho pra cuidar da casa e outro que se preocupa com meu conforto. Em troca dou a carne que tanto querem.
Nestes últimos meses tem me servido a Sandrinha. Conto como fiz ajoelhar esse ai.
Sandrinha, se chamava Sandro, filho do dono da empresa em que trabalho, gerenciando transporte. Garotinho todo bonitinho, mais para o magro, vê-se nele todos seus músculos. Surpreende quando está totalmente despido. Bundinha de uma garota de 16 anos, linda, dura, farta e faminta. Típico mauricinho, 22 anos e pra quem tem faro para viado, sente longe o cheiro de rosas. Comecei a observa-lo o bastante para deduzir sua marca (estilo de viado). Aquele é com certeza um que precisa de Dono, e quer muito. Eu saquei que era viadinho tímido e pouca pica viu ainda, talvez pelo status social. Certamente algum primo comedor de cu já fez festa no viadinho tímido.
Eu perito em dar destino a novinho de cu sem dono. Sabia exatamente o efeito que eu causava nele. Ficava desconcertado, não conseguia me encarar. Instinto de passivinho submisso, nascem sabendo baixar os olhos diante de um macho. Uma vez me flagrou olhando seu rabo e pegando no meu pau. Ficou vermelho.
Um dia por estar estagiando no meu setor, ficou um bom tempo tirando duvidas. Quando percebemos, eram 19 horas e restávamos apenas nós. Meu plano era traçar o viado ali. A gazela chegava a pingar de suor quando eu dava pequenos esbarrões naquelas montanhas de carne branquinha.
Ouvimos um temporal bater nas telhas de zinco fazendo um baralho ensurdecedor. Resolvemos ir pra casa e como eu estava de moto ele me ofereceu carona. No caminho aquele papo besta, se não fosse tolo, seria mais difícil ainda para o Sandro conseguir coordenar entre a gula que estava em olhar fixo o meio de minhas pernas, a direção do carro, e outra coisa mais.
Chegamos e o convidei a entrar. Ele educadamente declinou. Falei num tom mais imperativo e olhei seu rosto.
-Vai descer sim. Não vai sair nesse temporal. Vamos.
Ponto para ele. Apenas obedeceu, como eu gosto.
Entramos no meu quarto e sala, até arrumadinho, mas devia parecer um chiqueirinho para um filhinho de rico. Tirei a camisa e a calça jeans. Ele arregalou os olhos.
-Estão molhadas. Quer secar as suas?
-Não, obrigado.
-Ok, Se incomoda de eu ficar de cueca?
-Fique a vontade. A casa é sua.
-Você até prefere né Sandrinho?
-Pref, prefi... prefiro o que?
-Que eu fique de cuecas e você poder olhar minha caceta.
-Que é isso Antonio? Esqueceu quem sou?
-Sei bem quem é você. Tanto que vou te mostrar quem vc é.
-Não entendi,
Fico de frente a ele, rola meio mastro. Ele estático como estatua. Via-se medo, apreenssão e tensão.
Passei a mão no volume dentro da cueca
-Sei que você sonha com isso.
-Por favor Antônio, você esta confundindo as coisas.
Fui até ele marchando.
-Olha aqui viado. Não tenho tempo pra teatro de bixinha fresca não.
O franguinho tremia da cabeça aos pés. Um olhar de terror.
-Levanta Sandrinho. Se assusta não.
Abracei-o de costas pra min. Sumiu dentro do abraço. Na minha pele a pele quente, alva e virgem. Respiração entrecorada. Na minha rola seu rabinho duro fazia a cobrar se armar. Sentei no sofá e o fiz virar de frente a min. Sorri e elogiei sua beleza.
-Sei que vc tá precisando de um macho. Eu vou ser esse macho e vc, será minha meninha, minha branquinha, meu viadinho. Sente o cacete vibrando na sua bunda?
-Sinto.
-Gosta minha branquinha?
-Eu... eu gosto.
-Quer ela para você?daqui a pouco deixo você a vontade com ela!
Virei-o de frente a mim. Fiz uns carinhos e beijei seu pescoço. Fiz ele me olhar e comecei a meter dedo no cuzitinho. Viadinho se entregou
-Aaaiiii.
-Doeu Sandrinha?
-Pouquinho
-Quer mais? Ou paro?
-Antonio. Eu sou tudo que disse. Sou viado e você sempre foi meu sonho de macho. Bati muitas com dedo na bunda, pensando em vc.
-Pra você minha Branquinha seu Senhor, aprende a me tratar com respeito que viado deve a macho.
-Sim senhor, me desculpa.
-Vai ser minha puta?
-Vou sim, faço tudo que mandar.
-Assim é o certo. Quer rola meu viadinho?
-Quero Antonio, quero ser seu viadinho.
-Tira a roupa toda, e mostra a bunda pra mim.
Tirou tentando ser sensual. O sensual de verdade era seu desespero para me agradar.
-Quantas vezes vi essa bundinha escondida na sunga e ficava na vontade. Conheça meu cacete. Mostra como acha que agrada. Antes veja bem o tamanho do cacete, se quer mesmo saiba que vai ter de aguentar sem viadagem.
Ele ainda de pé Poe a mão dentro da minha cueca.
-Fica de joelho, é assim que viado cumprimenta rola.
Obedece no mesmo instante, eu sorriu vitorioso e o levanto o rosto pelo queixo.
-Meu putinho! Sabe que você é uma gracinha de viado? Ta na cara que ama pica. Está doido pra ser puta de um macho, não é?
-Sim senhor, mas como disse, sempre sonhei com o senhor .
-Gostou da rola?
-É imensa. Sabia que era grande, mas assim nem em filme eu vi. Será que vou aguentar?
-Vai com certeza. E vai viver por esta pica por um bom tempo, ao menos enquanto eu lhe quiser.
-O senhor que eu faça o que?
-Que o observe e conheça cada milímetro dela, depois conheça minhas bolas e meu cheiro.
Ele como hipnotizado fixava os olhos no meu cacete. Encosta o nariz na minha virilha com o cacete roçando sua pele macia e imberbe do rostinho delicado. Aspira meu cheiro por varias vezes. Coisa que parece causar-lhe um imenso frisson de desejo. Pega o cacete de forma delicada.
-Pega com firmeza. Em rola se pega firme.
Ele aperta sua mão que segurava e põe a outra logo acima desta. Exclama
-Meu Deus! Nem as duas mãos conseguem cobri-la inteira.
-São 25 cm de nervo. Toda sua.
Sandrinha começa a passar a língua nas bolas, a por uma de cada vez na boca. Viadinho já nasceu tão pronto que do jeito que gosto ele me olhava o rosto enquanto desfrutava da rola.
-Que delicia! Cada bolão! Tô fazendo certo meu senhor?
-Está sim, agora lambe a babinha pra ver se gosta.
-A putinha sorria feliz enquanto encostava a língua e tirava da baba que não parava de gotejar.
-Muito gostoso! Nunca tinha provado.
-Já teve outro macho?
-Só o meu primo Carlos, mas ele não tem esse cacetão. Nunca dei a ele, mas sempre que ele vai La em casa me bota pra chupar.
-Pois agora tens uma rola de macho, nunca mais chupa macho nenhum sem minha autorização. Ok?
-Tudo que mandar farei.
-Bixinha esperta. Agora mamar essa rola. Não encosta o dente, se relar um dente que seja, vai ser castigado.
Sandro tenta sem conseguir abrir a boca o bastante para que passa a dentro a cabeça do cacete.
-Bora viado, abre mais a boca e come essa rola!
-É grande demais, não estou conseguindo.
-Vai conseguir sim, nem que a gente tenha que amanhecer tentando. Senta no chão e encosta cabeça no sofá.
Viadinho pronto. Eu via sua rolinha dura. Mandei
-vai La no quarto e na primeira gaveta escolhe uma tanga e vista.
-Eu? Vestir uma tanga?
-Ta surdo viado? Obedece
Ele corre ao meu quarto e dois minutos depois volta com uma tanguinha vermelha. Mando que dê uma volta. Vejo o fio dental sumido enfiado no rabo. A visão espetacular do filhinho do chefe usando a tanga de uma das minhas putas, com o fio enfiado no rabo, me faz ajoelhar e ficar de frente aquele monumento de prazer, quase ouvia o cu pedindo rola. Apertei, beijei, passei a língua em cada nadega. Mandei que curvasse e se abrisse em bandas para mostrar a caverninha.
Liso, rosado, um botãozinho maravilhoso que logo mais estaria aberto na forma de minha caceta, e nunca mais aquele cu gostaria de nada menor que eu dentro dele. Viciado em minha rola seria meu escravinho a fazer todos meus desejos para tê-la torando seu cu.
Minha chupada fazia suas pernas bambearem. Mandei que apoiasse na mesa de centro. No apoio baixo seu rosinha se oferecia com mais vontade. Viado soltando gemidos como uma gatinha sendo abusado por vira latas.
-Que coisa boa, que gostoso, agora sei o que é macho.
-Não viu nada putinha, vou fazer você gritar de prazer tomando rola.
Sentei no sofá e me abri mandando que ele cuidasse de engolir o cacete. Tentou de novo e nada. De novo fiz à posição inicial. Ele sentado no chão e apoiado a cabeça no sofá.
-Abre bem a boca.
Esforçando-se bastante ele conseguiu ganhar dentro da boca a cabeça do cacete. Eu fui ao paraíso vendo seu esforça e vitória. Via lagrimas saindo de seus olhos. Iniciei a forçar mais adentro. Com apenas um terço da cacete chegava seu limite. Mesmo confirmando sua falta de experiência, coisa que me satisfez, mas, não gostei de ter menos da metade sendo mamada. Ele levanta a mão, como criança pedindo a vez de falar numa sala de aula. Tiro o cacete de sua boca.
-Estou fazendo certo?
-Certo vai ser quando conseguir engolir ao menos metade.
- O senhor vai me ensinar?
-Com certeza, mas hoje mesmo vai ate a metade.
Seus olhos arregalaram assustados com a afirmação. Resignado e desejoso de servir se ajusta no apoiar.
-Faz meu senhor.
Colocava e tirava, fazendo lentamente para que os músculos das mandíbulas aos poucos cedessem a invasão. Até que quando penso que conseguiria chegar a metade, ele deixa os dentes rasparem na caceta.
Tiro o pau de dentro. Fecho a cara e vou ao quarto. Volto com uma sandália havaina na mão. Ele confuso pede perdão se fez algo errado.
-Tem perdão não.
Sento no sofá e mando.
-Deita atravessado no meu colo com esse rabo pra cima.
O terror em seus olhos nãio o impediu de obedecer.
-te falei que se relasse os dentes na rola, seria castigado.
Com toda força dei uma sandaliada na bundona branca do viado. Dei outra. Ele gritava e sacudia as pernas.
-Apanha quieto, sem mexer, sem tentar fugir e sem gritar. Se continuar assim vai apanhar ate aprender. Puta apanha quietinha sabendo que merece apanhar.
Dei meia dúzias de chineladas. Agora estava muito vermelha e quente. O fiz ajoelhar e dei um beijo gostoso na boca vermelha de lábios grossos. O levantei e chupei seus deliciosos mamilos. Ele de novo se entrega. Pede que eu tente de novo lhe foder a boca. Tanto se empenha que em cinco minutos fodia ate a metade do cacete sua boca gostosa.
-O senhor vai me dar leite agora?
-já quer leite meu viadinho?
-Quero sim.
-Vou te dar, depois vamos cuidar desse cu rosadinho. Deita na cama que vou leitar te metendo na garganta.
-Posso ganhar no rosto também?
-É um viadinho bem descarado, kkkk Assim que gosto.
E dei a ele sua primeira leitada vinda de mim. Ele comia todo o leite sem querer perder nem uma gota. Soltei os últimos jatos na sua carinha linda. Vi a alegria em seu rosto coberto de esperma. Aonde sua língua alcançava ele a passou recolhendo mais leite. Se jogou deitando a descansar do gozo. Ele também havia gozado.
-Nunca mais seu viado mamador, goze sem me pedir. Viado meu só goza quando eu mando. Entendeu sua puta!?
-Perdão meu senhor, não consegui controlar, nunca mais repito.
-Acho que esta merecendo outro castigo.
-Por favor, meu senhor. Não vou aguentar apanhar de novo, desconta o castigo no meu cu.
-Tudo bem, dessa vez passa. Só porque é a primeira vez. Agora vem e põe o cacete na boca. Limpa e deixa duro de novo.
-Sim meu Macho.
Não parecia que o ensinava, agora fazia uma bela mamada, sozinho alcançou o objetivo do dia, que era engolir ate a metade. Putinho é incansável mamando rola, nunca precisei ensinar a só parar o boquete se mandado.
Antes que eu ficasse muito próximo de gozar de novo, mando.
-Deita no tapete com uma almofado embaixo do ventre. Deixa a bunda bem empinadinha que chegou a hora de arregaçar essa belezinha.
Peguei um tubo de gel lubrificante e iniciei a enfiar com os dedos carregados de gel. Usei uma seringa feita para mulheres usarem para pôr no fundo da buceta remédios. Dei uma bela carga no interno do cu do meu putinho. Ele que antes gemia dolorido, agora rebolava usufruindo a penetração de dois dedos e do bico da seringa.
Encapei o cacete, e encostei, esfregando na porta do cu. Ele acelerou e intensificou as reboladas, sentindo o cacete no meio da bunda. Aproveito de um relaxamento e enfio com força a cabeçorra. Pego outra almofada e o mando morder.
-Vou ficar parado ate que sinta menos dor, se doer morde o travesseiro. Para só com seu rabo lotado de porra.
Deitei meu peso sobre seu corpo e acariciava seus cabelos, beijava sua nuca, mordia as orelhas.
-Ta relaxadinho? Posso continuar?
-Pode.
-Peça, peça que te meta o cacete, tire seu cabaço e arregace seu cu.
Demora um minuto para cada centímetro. Duas vezes ele levou a mão para medir quanto de rola faltava.
-Santo Deus! É muita rola. Se o senhor quiser pode por tudo.
Alem de guloso, corajoso. Minha estocada violenta o fez afundar o rosto na almofada para abafar seu grito de dor.
-Viadinho filhinho do papai, tem 25 cm de negão no seu cu. Gostou viado?
-Fora a maior dor que eu já sentir, sou neste momento o cara mais feliz do mundo.
-Vai ganhar muita rola ainda. Desde que obedeça direitinho, fazendo o mandado sem questionar.
-Serei assim meu Macho, agora é meu dono. Faça o que quiser. Mete a vontade, aguento tudo que o senhor fizer.
Nada mais gratificante a um ativo dominador ouvir essas palavras de servidão. Palavras que me fizeram meter no boiolinha, por quase uma hora, arregacei aquele cu em todas posições que me são confortáveis.
Quando de frango o viadinho quase chorando fala que se eu continuar a meter ele não vai conseguir evitar o gozo.
-Pode gozar. Viado tem que gozar assim, com rola enterrada no cu.
Antes que ele terminasse o suspendi, ficando eu sentado sobre meus calcanhares e o fazendo cavalgar gozei como um garanhão. Tirei a borracha e o ofereci para limpar. Ele faz com perfeição e de novo mama.
Sentei no sofá, ele no meio de minhas pernas abertas continuava a mamar. Meu cacete não chegou a amolecer completamente. De meia bomba o mamador o fez duro de novo.
-Vamos ao banheiro pra você me dar banho.
Fiz ele ir na frente. No corredor mandei que me mostrasse o estado do cu. Antes um botãozinho, agora já recebia fácil quatro de meus dedos.
Ele me banha e eu o esfrego com uma bucha. Ele se aninha em meus braços. Era minha doce menininha. Só saiu dos meus braços para me pedir que o deixasse mamar um pouco mais. Deixei, e assim que duríssimo outra vez, o mandei na parede e soquei vendo-o levantar do chão a cada metida.
Mandei-o pra casa as 2 da manha. Avisei-lhe que agora em diante deveria sempre estar de tanguinha, depilado, sem um pelo no corpo, e pronto a servir. Dei-lhe seu novo nome. Sandrinha. Sem esquecer de dar a hora que ele devia me pegar pro trabalho, pois a partir daquele dia ele me levaria e traria. Por vezes vou ou venho eu dirigindo para que no transito ele ordenhe leite. As vezes o chamo no escritório para que o coma, ou no banheiro, ou nos fundos do deposito. Numa dessas um amigo me flagrou com o viado tomando rola no cu de quatro. O jeito foi botar a bixa pra mamar a rola dele. Uma de 20 cm.
A puta é obediente mesmo! Voltou pro escritório sem limpar a porra do meu amigo em seu peito.
-Vai se limpar não. Vai ficar cheirando a gala, o resto do dia. Quando o escritório fechar me avisa e nos espere de quatro. Hoje tem duas rolas para esse gulosão.
Esse agora é meu melhor viadinho. Me trata a pão de ló, sempre tentando me agradar. Depois da segunda foda, ele me pergunta se o deixo reformar meu banheiro para que fique mais confortável quando o usarmos. Deixei e o viado fez um banheirão de motel. Ótimo pra torar cu, tanto o dele quantos dos demais.

Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario pmsafadu

pmsafadu Comentou em 11/07/2015

Sem dúvida um dos melhores contos que já li aqui. Rico nos detalhes o que dá muito tesão e deixa todos até um ativo com vontade de te dar. Moleque putinho também, aguentou tudo e você não ficou com dó. Poe uma foto do teu cacetão pra nós curtirmos e gozar muito imaginado levar a rola no rabo. Levou meu voto com certeza e me fez gozar muito.

foto perfil usuario camps

camps Comentou em 08/06/2015

Que delícia ser submisso assim...

foto perfil usuario leao21

leao21 Comentou em 03/05/2015

Muito bom esse conto! Um dos melhores que já vi. Tu é o maior safado. Curti muito. Parabéns!

foto perfil usuario chaozinho

chaozinho Comentou em 07/11/2014

PÉ DE MESA CAMA. TEM QUE PASCAR MESMO QUE LIBERA.

foto perfil usuario spnovinho

spnovinho Comentou em 05/10/2014

Com certeza foi um dos melhores contos desse site!

foto perfil usuario rogerb

rogerb Comentou em 04/10/2014

Ótimo conto!!! Kero vc pra mim




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


54386 - Uma familia de puta e viados - Categoria: Gays - Votos: 26
54509 - Passando rola na tia e no casal de viado - Categoria: Gays - Votos: 19
63977 - Farra com meu passivinho 1* Parte - Categoria: Gays - Votos: 10

Ficha do conto

Foto Perfil papaviado
papaviado

Nome do conto:
O negão roludo e o filhinho do patrão

Codigo do conto:
54378

Categoria:
Gays

Data da Publicação:
03/10/2014

Quant.de Votos:
36

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


porno real em Araruama traicoesmamaee. fez papai me fedur contoconto gay "nao vadia"porno corno ainda nao consumado conto eroticoestuprou minha filha na minha frente contocontos mamae dormindo estrupei seu cuporno em quadrinho minha mae dando pro meu amigo negro na festaconto erotico como que engravidei a negraeu confesso encostou a pelvis puxando pela bundaultimos contos sadocasada de vestido de piriguetesimpsons xxx bebadaContos novinha perdeu cabaço do cu com roludao tremhistorias em quadrinhos pornogrficaswww.contos dei a bucetinha pro meu tio no incestocontos eroticos trair meu marido no puteirotravesti com mulher contoscontos eroticos com cuidadores de idosasquadrinhos pornome perdi no mato eles me encontraram e me fuderam pornocontos fogosaFode meu cu sogro em contosporno mae eroticoporno anal. giratirio rrombocontos gays de incestos.com/ novinho fui violentado por meu pai me viciei no pau delea liga da justiça pornBucetas das Sogras Rabudasconto erótico ninfomaníaca metendo muitoconto erotico fraguei minha irma dando pro seu esposoHq hentay o ultimo desejohentai quadrinho as aventuras de lia 8Chupo bucetinha da filinha confessoContos eroticos incesto de carnavalVidioporno professora de quadrinhocontos eroticos sou viciado em cu de viadiho mahosoconto gay Ribeira Do Pombalcontos de incesto eu e meu irmao fudemos a mamãecontos eroticos de cunhada fudendo com o tiocontos eróticos aliviando minha maeContos eroticos minha irmã correspondeu minhas caríciasquadri nho porno escritoriogaterrima metendoconto erotico com nora puta e gostosaComi minha mae que tava dormindo contoMania de ficar pelada ta brincado com meu paiconto erotico sou uma coroa carentecontos eroticos casada pegou no meu pauquadrinhos porno bocetinha rasgadas por paus grandes interrracialconto erótico casado boa vista roraimacontos eroticos de santinhasmulher gemendo na vara do cavalodogging praça da tv culturacontos eroticos novinha rabuda sonha com medingo fudendo ela e ela procura um medingo pauzudo na ruaconto erotico de torneio de sinucawww.comto erotico minha tia me pegou fodendo a eguaquadrinhos de erotico a picadafamilia sacana milftoon familia é assim parte3safada com tesâo nao resiste a pinto contonovinha sendo estrupada rasgando toda no c****** de rodelasContos Padrasto tirando cabaçoscontos de sexo com a fran mulher do meu amigo fotosconto casada na igreja e safadaContos incestos mae com filhinha ainda pequenaA filha ninfeta do meu cliente conto eroticoquadrinho erotico viagracinthia lamarckComi o Cu da minha ex com farinha contos eroticosanythingconto erótico de mendingover conto erotico sob chofer pirocudoconto gang bang velhos na noracontos incesto filho amante da maecontos eroticos do meu filho dotado me comendoconto.eroticos ciganoconto sexo aiii uiii rasga mete aiii proibido