Flanelinha pau grande


Click to Download this video!


No estacionamento em volta do prédio onde eu trabalhava havia um flanelinha muito legal, seu nome era Leandro, tinha vinte anos, era moreno, baixo, talvez um metro e sessenta e cinco, magrinho, parecia que nem se alimentava. Sempre que nos víamos nos cumprimentávamos. Um dia sai mais tarde do trabalho, a iluminação da rua era fraca, dei uma olhada e vi Flavio sentado meio escondido entre uns pés de Pingo de Ouro, e notei que seu corpo balançava de um jeito esquisito, seus olhos estavam fechados e sua boca entre aberta e de repente teve alguns espasmos.
Esse safado ta tocando punheta! – Pensei comigo. No dia seguinte estacionei a moto e lá vem ele todo sorridente.
Bom dia Paulo! – Ele me cumprimento cantarolando e colocou em pedaço de papelão sobre o banco de minha moto.
Bom dia Leandro! Tudo bem sim e contigo?
To ótimo! – Ele respondeu.
E a punhetinha ontem? Foi boa? – Perguntei sorrindo. Ele olhou para mim espantado.
Punhetinha?
É... Eu vi você ontem ali entre os arbustos, tava até de boca aberta. – Ele riu.
Cacete, a gente não faz nada escondido de alguém, né Paulo?
Pois é... Toma mais cuidado!
Pode deixar Paulo, pode deixar... Só não comenta com ninguém senão me mandam sair daqui, ta bom?
Fica frio Leandro!
Alguns dias depois sai com alguns amigos, era só um bate papo, mas por fim alguém pediu uma cerveja, começamos a beber e quando dei por mim já tinha tomado vários copos e estava meio zonzo. Pagamos a conta e cada um foi pro seu lado, minha moto estava estacionada um pouco mais distante caminhei até ela e quando me preparava pra subir ouço alguém falando atrás de mim.
Ê Paulo... Tava bebendo e agora vai pilotar? – Olhei e era Leandro que estava tomando conta de carros ali também.
Que nada Leandro, to legal!
É... Todo mundo diz isso, mas sempre tem acidentes por ai, né Paulo?
O que vou fazer Leandro? Você vai ficar a noite inteira aqui? Se ficar eu deixo a moto e vou de taxi pra casa.
Não! Já to indo embora, o movimento ta fraco hoje! – Ele respondeu. – Quer que eu te leve?
E você tem carteira de habilitação?
Claro que tenho! – Ele me mostrou o documento e fez questão de me mostrar a data de validade e a categoria. Era pra moto e carro.
Mas só tenho um capacete.
Você ta bêbado, então coloque você! Onde você mora? – Falei onde morava e ele disse que conhecia o bairro. – Pode ficar tranquilo que vou devagar e por ruas sem movimento, você segura em minha cintura pra não cair, heim?
Com os solavancos que a moto dava devido aos buracos na parecia eu tinha ficado pior, fiquei muito tonto. Teve um momento em que quase cai da moto.
Paulo, encosta nas minhas costas, cara! E segura firma na minha cintura. – Assim fiz.
Quando chegamos em casa eu realmente não estava em muitas condições de guardar minha moto e pedi a ele que o fizesse. Ele abriu o portão, me ajudou e entrar em casa e guardou a moto.
Pronto... São e salvo! – Ele falou rindo. – Agora vou pra minha casa. – Você vai ficar bem, né Paulo?
Vou... – Tentei me levantar do sofá, mas quase cai. Ele riu.
Ih, to vendo que você ta bem mesmo! – Rimos.
Acho que não to não Leandro! Quero tomar um banho frio pra melhorar. Ainda bem que amanhã é sábado e eu não trabalho, senão tava fudido. – Falei e ele riu alto.
Senta ai que vou te ajudar. – Sentei- no sofá, Leandro tirou minha roupa me levou ao banheiro abriu o chuveiro e eu fiquei embaixo da água fria, mas ele também acabou se molhando.
Eita seu pinguço... Você me molhou todo. Como vou pegar o ônibus agora? – Ele falou rindo.
Foi mal Leandro, mas porque você não dorme aqui?
Não posso. Tenho que ir pra casa!
Por quê? Você é casado?
Não!
Sua mãe via brigar contigo?
Não. Minha mãe mora em Minas. Eu moro sozinho, Paulo.
Então você pode dormir aqui, ué!
Ta bem. Vou ficar, mas você tem uma roupa pra me emprestar? A Minha ta molhada. Falei pra ele pegar no guarda roupa e ele escolheu um calção de jogar futebol.
Leandro me levou até a sala e eu me deitei no sofá e ele sentou em outro. Eu ainda estava meio grogue, mas sabia o que tava fazendo.
E aí? Perguntei. – Tocando altas punhetas lá no estacionamento?
Que nada! – ele respondeu rindo.
Você tem namorada Leandro?
Tenho não Paulo. Faz tempo que não pego nem resfriado. – Rimos.
Ficamos vendo televisão e conversando, ele era bom de papo, então pedi que pegasse um copo com água pra mim, ele trouxe e me entregou ficando de frente para mim, tomei um gole, olhei para ele e vi o volume por baixo do calção.
Ta sem cueca? – Perguntei.
To. Eu não uso, não gosto... Acho que incomoda demais.
Caramba Leandro, que pinto grande! – Ele riu, olhou para seu pinto e deu uma balançada pra lá e pra cá.
Que nada, é impressão sua, Paulo!
Impressão nada, o bicho é grande mesmo! – Ele tirou o pau pra fora e balançou.
Só fica grande se alguém... Chupar! – Ele disse olhando para mim sério, então se aproximou e encostou sua rola em minha boca.
Da uma chupada aí Paulo! – Encostei meus lábios naquela vara e deu uma sugada, ela entrou de uma vez em minha boca e ficou dura por completo. Meu pau, por baixo da toalha que me cobria endureceu também. De fato sua rola era grande, tinha dezenove centímetros, mas não era grossa. Chupei aquele pau gostoso, minha tontura já estava até passando, e conforme eu abocanhava ele gemia baixinho.
Isso... Você chupa gostoso! – Isso, chupa meu pau, chupa! – Eu metia a boca naquele caralho e olhando para Leandro que estava com os olhos fechados. Em momento ele colocou um dos pés em cima do sofá e ficou com o saco em meu rosto.
Chupa minhas bolas... – Enfiei o saco dele na boca e gemeu alto. – Nossa! Que gostoso... Que tesão Paulo! – Ele falava e esfregava o pauzão em meu nariz e em minha testa.
Depois de uns minutos chupando aquele saco peludo, Leandro se virou e fazemos um sessenta nove, ele meteu meu pau em sua boca e me chupou até o talo, gemi e empinei a cintura pra cima, meu cacete foi até sua garganta. Seu cuzinho ficou me a mostra, e enquanto eu o chupava comecei a passar o dedo em seu rabo e ele começou a meter em minha boca, seu pau, assim como o meu, era babão e eu aproveitava o liquido ralo e fina que saia daquela vara gostosa.
Minutos depois, Leandro se levantou, puxou minhas pernas de modo que eu fiquei sentado, mas com a bunda pra fora do sofá, ele se ajoelhou, abriu minhas pernas e lambeu meu cu, fui às alturas com aquela língua no meu buraco e comecei a socar uma punheta. Depois ele se ajoelhou, encostou seu caralho na portinha do meu cuzinho e foi enfiando, a dor que senti foi mínima já que seu pau tinha dezenove centímetros, mas não era grosso. A cabeça passou.
Posso enfiar? – Ele perguntou olhando-me nos olhos. Balancei a cabeça dizendo que sim e ele, devagar foi atolando e quando seu caralho tinha entrado até a metade e começou a fazer vai vem, senti que fiquei úmido por dentro. À medida que Leandro ia metendo ele ia enfiando um pouco mais e só parou quando seus pentelhos estavam encostados à minha bunda. Seu pau me cutucou lá no fundo, em algum lugar que me deu um prazer enorme, algo que eu até então não havia sentido, parece que o ponto que ele havia cutucado se abriu e, tanto ele como eu, sentimos quando expeliu um liquido.
Parece que te fiz gozar pelo cu, Paulo! – Ele disse admirado.
Acho que sim...! – Respondi sentindo muito prazer anal, então Leandro começou a me cutucar só mexendo a cintura, sem tirar o pau de dentro e involuntariamente meu cu começou a se contrair.
Ah, Leandro que gostoso! – Falei apertando seus mamilos. Ele gemeu.
Leandro começou a meter em meu rabo sem tirar muito seu caralho de dentro, eu me contorcia e fazia caretas de tesão, ele dobrou-se sobre mim e começou a sugar meus mamilos, eu passei as unhas em suas costas ele gemeu, estocou forte e senti seu pau gozando dentro de mim, foram umas sete ou oito latejadas daquela rola despejando porra dentro de meu cu. Depois de gozar Leandro sentou-se no sofá para se recompor.
Caralho Paulo, fazia tempo que eu não gozava tão gostoso! – Leandro ficou sentado no sofá, eu me deite e apoiei a cabeça em suas pernas e ficamos conversando.
Quanto tempo Leandro?
Ah, sei lá... Uns oito meses, acho!
Eu estava há mais tempo... Minha última foi há um ano e meio! – Falei olhando para o teto.
Nossa Paulo! Tudo isso? – Ele perguntou alisando minha barriga.
Sim! É que é muito difícil encontrar alguém em quem confiar!
E confiou em mim? – Ele perguntou admirado. Porque eu?
Sei lá... Acho que é porque eu estava bêbado... Mas naquele dia que vi você tocando punheta lá no estacionamento cheguei em casa e toquei uma também pensando em você.
Seu safado! – Ele disse rindo.
Nos dois, né? Você também é muito safado! – Respondi. – E pauzudo! – Completei.
Eu estava deitado com a cabeça apoiada nas pernas de Leandro e não tinha gozado ainda, meu pau sequer amoleceu. Virei minha cabeça de lado e coloquei a cabeça de sua rola que ainda pingava porra na boca e fiquei passando a língua.
Vou querer de novo, heim Paulo!
Tamos aqui pra isso! – Respondi.
É assim que gosto... Seu guloso safado! – O pau de Leandro começou a endurecer novamente e nas contraídas que dava os restinhos de sua porra que tinha ficado no canal de seu pinto iam escorrendo pra dentro de minha boca e eu ia engolindo.
Safado você, né Paulo? Gosta de engolir porra, né? – Leandro foi falando e deslizando a mão por minha barriga abaixo, tocou em meu pau, alisou meu saco e seu dedo encontrou meu cuzinho piscando, doido pra ser enrabado novamente.
Perai que vou dar o que você ta querendo! – Leandro me virou de bruços abriu minha bunda e lambeu meu cu por um tempo, depois se ajeitou em cima de mim, pincelou seu caralho no meu cu, deitou-se sobre mim e foi atolando a rola de novo, dei uma empinada e seu pau entrou tudo de uma vez, ele passou seus braços por baixo de meus ombros e começou a me socar. Mais uma vez sua vara me tocou naquele ponto e comecei a gozar no seu pau. Aquele macho gostoso não bombava, eu é que mexia o quadril pra baixo e pra cima e a cada movimento que eu fazia meu cu expelia um liquido. Ficamos uns vinte minutos assim e ele já estava quase gozando.
Paulo, to quase gozando de novo, mas quero esporrar na sua boca! Posso! – Respondi que sim, então ele saiu de dentro de mim encavalou-se sobre mim e eu mamei aquela vara comprida. Não demorou muito e senti seu pau latejando em minha garganta, sua porra saiu quente e farta e eu engoli sua goza. Enquanto ele gozava em minha boca comecei a tocar punheta e também gozei, gozei muito e minha gala espirrou melando suas costas. Ele deitou-se atrás de mim no sofá, me abraçou e adormecemos ali mesmo, de conchinha. Houve outras fodas entre nos, mas já são outras historias.

Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario amarcio

amarcio Comentou em 02/11/2016

Gostei muito do conto! delicia!

foto perfil usuario fabinhustar

fabinhustar Comentou em 03/03/2015

Muito bom seu conto cara. Só tive uma dúvida... Leandro ou Flávio??? "No estacionamento em volta do prédio onde eu trabalhava havia um flanelinha muito legal, seu nome era LEANDRO, tinha vinte anos, era moreno, baixo, talvez um metro e sessenta e cinco, magrinho, parecia que nem se alimentava...vi FLÁVIO sentado meio escondido entre uns pés de Pingo de Ouro..." Entregou o verdadeiro nome? kkkk

foto perfil usuario camps

camps Comentou em 03/12/2014

Hum.... Delícia de conto! Que macho gostoso!!!!

foto perfil usuario jorge brito

jorge brito Comentou em 24/11/2014

Ótimo!

foto perfil usuario darksite53

darksite53 Comentou em 13/10/2013

Quero uma flanelada .... rsrsrs

foto perfil usuario macho curte hom

macho curte hom Comentou em 11/10/2013

CARAI... DETALHES, MUITO GOSTOSOS...

foto perfil usuario

Comentou em 13/08/2013

Adoro flanelinhas

foto perfil usuario aquarius

aquarius Comentou em 11/08/2013

Puta tesão. Queria um flanelinha assim!!!

foto perfil usuario dang

dang Comentou em 08/07/2013

Cara que conto excitante! Curti muito a maneira como você escreve. Muito maneiro esse flanelinha, rs.

foto perfil usuario rcdfs

rcdfs Comentou em 03/07/2013

muito bom o conto com mtos detalhes e adorei!!!

foto perfil usuario isaque.reviver

isaque.reviver Comentou em 18/06/2013

Maravilha cara, delicia de conto, leia os meus e comente também!

foto perfil usuario olavandre53

olavandre53 Comentou em 05/06/2013

Muito bom seu conto. É grande, mas do tamanho do tesão que me deu. Bjus (e agora vou tocar uma em homenagem a vc a seu flanelinha pauzudo)

foto perfil usuario aventura.ctba

aventura.ctba Comentou em 24/05/2013

Muito bom, adorei seu conto...parabéns.

foto perfil usuario novinhoesafado

novinhoesafado Comentou em 24/05/2013

Muito legal em... Deu pra excitar !

foto perfil usuario vinny_rj

vinny_rj Comentou em 24/05/2013

nossa !que tesão vc me deu. soube descrever com clareza e acertou no conto.

foto perfil usuario lisinho atv

lisinho atv Comentou em 24/05/2013

Caralho q tesao!!seus contos sao mt bons!!parabens continue escrevendo!vc escreve mt bem...sao contos grandes mas q vale a pena ler!cheio de detalhes!mt bom!

foto perfil usuario

Comentou em 24/05/2013

Nota dez, parabéns, o outro conto gostei mais. não deixe de escrever e lrt meus relatos

foto perfil usuario terranova

terranova Comentou em 24/05/2013

Um texto legal,com bom linguajar e sem frescuras,bem ao gosto de quem lê.




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


29623 - O vigia do ferro velho - Categoria: Gays - Votos: 37
29733 - Lucio, meu amigo marginal - Categoria: Gays - Votos: 27
29763 - O empregado do sitio de meus avós - Categoria: Gays - Votos: 26
29869 - Lucio, meu amigo marginal (continuação) - Categoria: Gays - Votos: 10
29917 - PUNHETA - Relato rápido - Categoria: Masturbação - Votos: 4
30105 - O empregado do sitio de meus avós (continuação) - Categoria: Gays - Votos: 24
30495 - Meu tio João me arrombou e eu gostei - Categoria: Gays - Votos: 53
30627 - Luciano, meu amigo sacana. - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 15
31020 - Luciano, meu amigo sacana (parte II) - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 9
31224 - Cuidando de meu irmão mais velho. - Categoria: Incesto - Votos: 29
31225 - Meu tio safadão. - Categoria: Incesto - Votos: 13
31267 - Fodendo o Emo - Categoria: Gays - Votos: 17
31334 - Os filhos de meu padrinho me comeram. - Categoria: Gays - Votos: 33
31881 - Bento, amigo do trabalho viciado em punheta. - Categoria: Gays - Votos: 33
33565 - Comendo meu amigo bêbado com o irmão dele olhando. - Categoria: Gays - Votos: 19
33919 - Um cara que marcou minha vida. - Categoria: Gays - Votos: 12
34523 - Fodido pelo pedreiro de meu pai. - Categoria: Gays - Votos: 33
36523 - Primo sonâmbulo? Rola nele. - Categoria: Gays - Votos: 33
36570 - Enrabado no ônibus por um negro pauzudo. - Categoria: Gays - Votos: 28
95474 - Um vizinho me ensinou a bater punheta - Categoria: Gays - Votos: 7

Ficha do conto

Foto Perfil gostodepunheta
amigopunheteiro

Nome do conto:
Flanelinha pau grande

Codigo do conto:
29622

Categoria:
Gays

Data da Publicação:
22/05/2013

Quant.de Votos:
44

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


meu namorado me comeu com agresividade e eu gostei contoporno contos pescando com maridocontos porno gratis estupro submissãoararashentaiconto erotico sogra bundudaFui comida no óbito pelo meu primo porno contoconto erotico mae fantaziada pro filho e ganha rolaConto troca troca com travestias travestestis mas do rabao do bumbum mas linxomamae que letinho de filhinhopornocantoseróticos meu nome e nayanne.contos eroticoconto porno velho roludofilmes hentai porno onde mulher e disputadas em corridas de carrodividindo esposa dopada com amigo contos eroticoscontos eroticos bebiminha mulher me contou a traiçao e como foi arrombadaconto chupando amigo maconheirovurei emoregada do vizinha parte 8contos eróticos comi minha sogra separadatio e sobrinha porno quadrinhocontos erotico de estradaBuceta virgem traindo conto eroticoContos eróticos:meu querido professorwww conto erotico gay de vizinho e vizinho com bramigo rabudo gay contogibi hental em portugues so com gostosasponheta subrinha gostosa quadrinhos pornocontos de incesto iniciandocartoon mom xnxxquadrinho de porno realcontos eroticos comeram minha namorada no escuroMeu professor tem uma bunda contos gay[email protected]ContoeroticonotrabalhoConto Incesto Meu Irmaomeu tio me comeu amarrado porno gayconto erotico fui da faxina ele me comeucontoeroticodfcontoeroticodfcontos eroticos gay chupador de cuContos erotico kell gordinha adora dar o cuconto gay me afroxoucontos eróticos a aposta da esposacontos eróticos Tambaba 2017conto erotico gay uber com fotoarrombei as tuas calcinhasconto gay Ribeira Do Pombalporno em quadrinho traicaocontos eroticos de idosas mendingasconto erotico tia mentruada e com muito tesaocaiu+na+netesposa com amigo de corno no banheiro xhamatercontos eróticos de traição as mulheres do pastorconto porno velho roludodei ocu para o meu padrinhocontos eroticos de jogos esposinha putinha fazendo dp vibradorconto erotico ele me fudeu gayImagens porn gay liga da justicacontos eroticos terminando com as pregas da novinha sem lubrifica o cuzinhoporno caseiro con tuta viciadaconto erotico mulher e cavalocontos erótico glauciaroziney do porno.comflavia mostra calsinha coladanayla contos eroticoscontos eroticos viu a esposa sofrendo no anal com dotadocontos eroticos de esposas que pedem para os maridos vestirem suas calcinhas durante a transahoje eu dor pro papai pornô capixabacontfo xota cu filhinho choraquadrimhids porno willag wardconto erotico sacanagemcontos eróticos entre tio e sobrinha ainda bebezinha adotivavidio porno mãe comtezam manda o fillo come o cu e grita de dorContos eroticos com fotos de podolatria com a atendenteconto erotico com neguinha da rocaConto erotico bunda a madrastaconto estuprada por um pauzudoO velhio descabaçador de mocinhas virgem