Dei o cuzinho para o pai de uma amiga


Click to Download this video!


Amálie é uma das modelos. Tem sido bem disputada pelas agências. Ficamos amigas logo que nos encontramos. Um dia ficou sabendo que eu colhia relatos interessantes das atividades sexuais de pessoas. Quis ler alguns. Depois de ler me disse que talvez eu achasse um acontecimento seu interessante quando ainda tinha dezesseis anos e se eu queria ouvir. Lógico que queria, mas a alertei que sempre gravava para depois, quando fosse escrever, não perdesse algum detalhe. Ela concordou e eu e meu gravador começamos a ouvir: E ela conta... Tínhamos recebido no colégio aquele ano uma garota nova. Diziam que era riquíssima. Muito simpática a todos logo conquistou vários amigos. Passaram poucas semanas e ela nos fez o convite para a festa de seu aniversário. Seria na sua casa. A animação de uma festa despertou em todas nós, suas amigas e amigos, grande movimentação e preparação. Ansiosas esperamos o dia. Por fim chegou o sábado em que seria realizada a festa de aniversário de nossa amiga e colega. A noite, dentro de um vestido lindo que havia comprado para a ocasião, lá fomos nós. A residência era mesmo linda como haviam contado e pela festa em andamento seria ela muito rica mesmo. Quando nos viu chegando correu ao nosso encontro nos levando pela mão a conhecer seus pais. Ao conhecermos o casal deparamos com um pai que não poderia ser um pai; era lindo demais. Não muito alto, mas dono de um par de olhos verdes que penetravam a gente. Cabelos lisos, já um pouco grisalhos, mas sem nenhum sinal de falha. O homem era realmente lindo concordamos todas. O corpo sem nenhum sinal de barriga mostrava um homem que se cuidava. Bem vestido... era um pai tudo de bom. Concentramo-nos na festa e nos rapazes que estavam por lá. Mas a certa altura da festa eu confirmei uma suspeita que vinha me cutucando: o pai de Amálie não tirava os olhos de nós. Coisa estranha... Preparei-me para encará-lo de surpresa ‘pegando-o no pulo’. Deu certo. De repente olhei para o lado onde estava e topei com um pai muito bonito, mas com uma fisionomia bem safada. Olhou-me com um sorriso maroto não escondendo os seus pensamentos realmente safados. Topei a brincadeira. Flertar com um homem casado era novidade para mim, mas eu sou assim: adoro homem safado para enfrentar a minha safadeza. Minhas amigas e colegas nem imaginavam o tamanho da minha safadeza que escondia a sete chaves. A casa estava cheia. Era gente que não acabava mais. Fomos convidados a nos reunir no salão de festas para apreciarmos a arte de um dos convidados que era mágico. Amontoamo-nos e nos esprememos para cabermos todos no recinto para assistirmos ao espetáculo. Alguns minutos se passaram e o mágico dava o seu show e era bom nisso. Estávamos tão apertados uns contra os outros que demorei a notar que alguém alisava sutilmente a minha bundinha. Disfarçadamente olhei para trás. Atrás de mim, colado a mim, estava o maravilhoso pai de minha colega aniversariante. Sorri-lhe e voltei a olhar o espetáculo. Ele entendeu o meu consentimento e se tornou mais afoito. Alisava, acariciava minha bundinha como se ela fosse de cristal e pudesse se quebrar. Eu estava adorando. Sentindo muito prazer naquela brincadeira. Meu vestido era um longuinho de seda pura. Isto dava a sensação de que ele me acariciava ao vivo. Quando enfiava a mão bem por baixo e vinha subindo forçando um dedo a passar pelo meu reguinho eu ia à loucura. Eu já nem sabia o que se estava passando lá com o mágico. Tomei uma nova posição e fiquei com as pernas bem abertas. Isto lhe deu mais facilidade e sua mão entrava pelo meio de minhas pernas, tocava a minha bocetinha e subia pelo meu reguinho. Senti a calcinha ficando úmida e eu subindo as paredes igual a uma lagartixa louca. Segurando a bolsa com a mão direita contra o peito, levei a esquerda para trás procurando o seu pinto. Tinha que agir lentamente e discretamente para não dar bandeira do que estávamos fazendo. Ele vendo o que eu estava procurando se acomodou melhor facilitando para que eu encontrasse. Encontrei. Encontrei um pinto que quase estava furando a calça de tão duro. Fiz-lhe algumas carícias e voltei à posição anterior; de braços cruzados segurando a bolsa contra o peito e cara de lerda. Ele se colou mais em mim e senti o prazer do seu pinto contra a minha bundinha. Ficamos assim colados até o final do espetáculo. A multidão se desmanchou e voltamos a dançar e nos divertir com os rapazes de nossa idade. Mas nossos olhares não se perdiam de vista. Em dado momento vi-o subindo as escada para o andar superior. Parou no meio do caminho e olhando para mim deu um chamado sutil, quase imperceptível. Fui até a Amálie e como desculpa perguntei-lhe se não havia um banheiro mais reservado que o social para eu usar, pois estava precisando urgentemente e achava que até precisava tomar um pequeno banho. Ela, como mulher, entendeu logo e me disse para subir as escadas e ir até seu quarto onde havia o seu banheiro particular que ficasse à vontade para usá-lo. Foi o que fiz. Subi as escadas e como ela tinha explicado a porta de seu quarto foi fácil identificar, pois havia uma bonequinha pregada com o nome em baixo: Amálie. Entrei e quase que imediatamente o pai de Amálie entrou atrás de mim. Trancou a porta e não dando tempo nem para eu pensar envolveu-me nos braços e num beijo de tirar o fôlego. Enquanto me beijava desceu o zíper do meu vestido as minhas costas. Por baixo eu somente estava de calcinha. O vestido foi ao chão e ele não perdeu tempo abocanhando os meus peitinhos e chupando-os com sofreguidão. Eu delirava. Não conseguia reagir como se tivesse tomado algum tipo de droga paralisante. Não era a primeira vez que recebia um amasso daqueles, mas nos outros eu tinha plena consciência... nesse não. Enquanto mamava os meus peitinhos suas mãos amassavam e acariciavam a minha bocetinha por cima da calcinha úmida... já bastante úmida. Carregou-me para a cama de Amálie e me jogou sobre ela. Na sequência puxou e me livrou de minha calcinha abrindo minhas pernas, ou melhor, escancarando minhas pernas. E então a minha bocetinha conheceu o calor de sua boca a chupá-la, o vigor de sua língua que, como uma cobra, se contorcia na entrada da vagina. Eu ainda era virgem e teria de tomar cuidado para não perdê-la naquela noite. O ataque daquela boca a sugar a minha bocetinha auxiliada por aquela língua que teimava em me penetrar me levou ao orgasmo. Gozei como nunca e tive orgasmos múltiplos o sentindo tomar todo o suco de meu gozo. Quando por fim as minhas contrações pararam ele também parou de sugar-me e ficou em pé a minha frente. Sentei na cama e sem lhe dar tempo abaixei seu zíper enfiando a mão dentro de sua cuequinha retirando para fora aquela coisa dura, de cabeça gotejante, vermelha e macia. Sem pensar duas vezes abocanhei-lhe o pinto e tirei dele gemidos de prazer. Chupei durante um tempo. Ainda gemendo e com uma respiração rápida e forte retirou o pinto da minha boca e deitou-me de barriga para baixo em cima da cama. Imediatamente começou a acariciar e a dar mordidas em minha bunda. Logo o senti pincelando com seu pinto o meu reguinho. Separou minha bunda, abriu mais minhas pernas e pincelou meu cuzinho. Colocou a cabeça de seu pinto na entrada de meu cuzinho e forçou. Eu nunca tinha chegado a este ponto de tentarem comer o meu cuzinho, mas naquele momento o meu prazer era tanto que relaxei e deixei que ele fizesse o que quisesse. No fundo eu queria mesmo dar o cuzinho para aquele homem. Aos poucos foi me penetrando. Doía mas o meu prazer era mais forte. Quanto mais eu relaxava mais ele me penetrava. Por fim senti que havia penetrado tudo. Aquele pinto estava totalmente dentro de mim... eu estava dando o cuzinho para o pai de minha amiga. Lentamente começou os movimentos de vaivém. Não doía mais e eu agora era só tesão e prazer. Quanto mais ele me comia, mais eu queria que ele me comesse. Os minutos se passaram naquela loucura. De vez em quando ele tirava e colocava de novo. Amassava meus peitinhos, mordia minha nuca e comia meu cuzinho... Ah! Como era bom. Mas o que é bom, dura pouco e logo ele deu um gemido, quase um grunhido, e me preencheu com seu leitinho quente. Seu pinto latejante ficou lá, dentro do meu cuzinho colocando todo o leitinho que tinha. Eu nunca tinha sentido aquilo e entrei também em convulsões. Gozávamos juntos, gemíamos juntos. Quando seu pinto por fim amoleceu e se retirou de dentro de mim, ele se levantou buscou minha calcinha, meu vestido, meus sapatos e carinhosamente me entregou. Fui ao banheiro. Limpei-me da maneira que dava tomando um pequeno banho íntimo... Saiu do quarto primeiro e eu depois de me recompor totalmente desci para o salão de festas como se nada tivesse acontecido. Na segunda-feira, no colégio encontrei com Amálie. Ela me puxou para um canto e perguntou baixinho:
- Foi bom ontem?
- Oh! Eu adorei a sua festa - respondi.
- Não estou falando da festa - disse. Com meu pai...
Eu não sabia o que dizer.
- Pode falar -disse ela- eu sei de tudo, pois meu pai adora comer os cuzinhos de minhas amigas...
- É, foi muito bom - respondi meio indecisa.
Por dentro a minha cabeça, a mil, não conseguia entender o que estava acontecendo. Amálie sorriu e saiu se dirigindo para a sala de aula como se nada houvesse acontecido...


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


14724 - De Santa a Pecadora - Categoria: Heterosexual - Votos: 3
14758 - Um primo, um tio...Quanta safadeza. - Categoria: Heterosexual - Votos: 1
14912 - Consulta safada e gostosa - Categoria: Heterosexual - Votos: 5
15015 - Meu cuzinho é todo seu... - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
15191 - Como era grande o cacete do negrão! - Categoria: Heterosexual - Votos: 0
15243 - Eu e o "Negão" - Categoria: Heterosexual - Votos: 1
15308 - Fodendo com o entregador de pizza - Categoria: Heterosexual - Votos: 4

Ficha do conto

Foto Perfil labelle
labelle

Nome do conto:
Dei o cuzinho para o pai de uma amiga

Codigo do conto:
14927

Categoria:
Heterosexual

Data da Publicação:
04/01/2012

Quant.de Votos:
3

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


conto minha bucetinha nascendo pelosgay dotado usa camisinha extra grandeconto erotico sogro pausudo de cuecavideo porno do casal vodikque ver conto erotico imao es piano imao novinha peladanovimha transando em mamausconto minha tia minha safadaConto eritico da velinhamulher mendiga conto eroticocontos eroticos a cozinheiraconto eroticos transformando a santinha em depravadaminha prima mipegor batendo umaContos eroticos vizinho bandidocontos eroticos eu minha mulher e nosso amigo na praia de nudismodormi pelado com milha mae i fiz sexoconto falado depiladora travesticonto erotico podemos presentede formatura da madrastamarvel porno em quadrinhosconto sexo caminhoneiroconto erotico grupal com bebadasfotonovelaxxx lesbicasporno de marrentas violentadasContos eroticos virando mulherRaspei minha buceta na presença de meu sobrinho contos femininoputa do vintão conto eroticoconto erotico gay apaixonadoos convidados comeram minha mulher hentai e contos eróticoscontos eróticos incesto férias com minha mãehistorias eroticas de genro bem dotado fudendo a sogratransei com meu genro contosfilinhacontoeroticocomi a novinha na chantagem casa dos contosconto erotico engravidei minha professora pornoconto erótico com fotos dei o cuzinho pro meu filhoconchinha dormir corno contodei pro meu pai contos eroticosloiros dotadossipisons albom de imagens pornoConto erotico novinha evangelicaSexoincestocontoseu conto peguei o meu cunhado cheirando a minha calcinhacontos pai estrupa e rasga cu de filho pequenocontos eróticos da sogra toma leitinho na cama do genroum novinho me fudeu conto gayquadrinho pono reaisContos comendo a boceta da medica dlcconto erótico rapaz bem dotado tirou cabacinho da irmãsinha ela gamoufilmes eroticos de casadas sendo estrupadas por borracheirofilhaputacontocontos eroticos meu marido gosta de leitinho na bocaasisti video porno loira buceta vermelinhaContoeroticos mayara meu namorado pauzudo arronbo minha bucetinhagravidezcompeniso desejo de hannah 1Dei por pai da minha aminguinha do quinto ano contos eroticosquadrinho assedio pornocontos minha irmazinha punheteiracontos erotico minha sogra doidina pra mida a bocetaA menininha da rua contos eroticoscontodevaginafodendo na águaconto erótico chocolate enfiado no ânusComi a filha do amigo contonegao conto erotico pedreirocontos eróticos de incestos de mãe amante do filho 2017conto erótico traiçãoPorno contos de gay pela 1 vez choreinegão hqtarado por bunda gayconto eroticoContos eroticos com fotos de podolatria com a medicaeconto erotico esposa com shorts dins curtinho corno fotocontos personal encoxando a cavala na academiacontosde enfiei uma cenoura na minha bucetacontos banho incestoaproveitando da irmã bêbadacontosquadrinhopornocontos eroticos gravida de paisedutoras e marrentas parte dozecontos eróticos dando o cu no coletivoronicleisilvaconto erotico gay menino deu o cu para o engraxatefudendo com a mulher do.pastor conto eroticocontos eroticos no hotel com mamae